Batata Movies – Sete Minutos Depois Da Meia Noite. Um Monstro Para Uma Situação Monstruosa.

Cartaz do Filme

Um interessante filme com cara de blockbuster paira em nossas telonas. “Sete Minutos Depois da Meia Noite” (“A Monster Calls”), dirigido por J. A. Bayona e baseado no livro de Patrick Ness, que também é um dos roteiristas, parece um daqueles filmes juvenis com ares de fantasia. Mas ele consegue ser mais do que isso. É uma película que, acima de tudo, é uma lição de vida.

Conor, um menino atormentado

Vemos aqui a história de Conor (interpretado por Lewis MacDougall), um menino cuja realidade é altamente cruel. Sua mãe (interpretada por Felicity Jones) sofre de uma grave doença, o pai (interpretado por Toby Kebbell) vive em outro país e ele não tem um relacionamento bom com a sua avó (interpretada por Sigourney Weaver). Na escola, ele é o típico “outsider”, sofrendo constantes “bullyings” dos colegas. Um belo dia, um enorme monstro em forma de árvore (cuja voz é interpretada por Liam Neeson) invade seu quarto e lhe diz que vai contar três histórias e, depois, o próprio Conor terá que contar uma história à árvore monstro. O menino não entende nada e aquela árvore passa a ser uma presença constante em sua vida, enquanto ele precisa lidar com os muitos problemas de seu dia-a-dia.

Pois bem. Dá para perceber que a chave de toda a trama do filme está nessas três histórias contadas pela árvore ao garoto e que Conor desenvolverá a sua história a partir da relação entre as histórias da árvore e da sua vida. A princípio, o menino não entende muito qual o sentido das histórias que não seguem um padrão formal como, por exemplo, mocinhos totalmente bons ou vilões totalmente ruins, mas, pouco a pouco Conor vai percebendo como aquelas histórias se encaixam perfeitamente nas situações reais pelas quais ele passa e com seus dolorosos pesadelos, ajudando-o a encarar a dolorosa perda iminente da mãe. Entretanto, esse processo não será feito sem violentos percalços que surgem a partir da violenta reação do garoto às adversidades da vida, reações essas que aparecem quando ele está em contato com a árvore.

Ele terá que se acostumar com sua árvore monstro

Mais do que uma fantasia para o público adolescente, o filme mais se aproxima de um pesado drama psicológico para o público adulto. Não é uma historinha bonitinha, cheia de magia, mas sim uma forte dor do inconsciente de um menino altamente atormentado, que atinge ao público em cheio.

Explosões de raiva!!!

No mais, podemos falar um pouco dos atores. O garoto Lewis MacDougall, que interpreta Conor, foi muito bem e segurou o rojão de fazer um papel muito complicado onde o choro, o desespero e a raiva eram constantes. Felicity Jones, depois do sucesso de “Rogue One”, aparece menos no filme, mas proporcionou ternos momentos com o MacDougall. Foi um barato ver Sigourney Weaver de volta às telas, agora como avó. O desentendimento com Conor proporcionou boas sequências onde a atriz mostrou bastante carga dramática, sobretudo no momento em que Conor destrói um quarto inteiro, motivado pelo monstro. Ali foi um dos melhores momentos do filme. Weaver olhava estarrecida para toda aquela destruição com um misto de dor, ódio, tristeza, surpresa, decepção, não dizendo uma palavra sequer, o que somente mostra o grande talento dessa atriz.

Foi bom rever Sigourney Weaver

Assim, “Sete Minutos Depois da Meia Noite” pode até não ser um filme que, a princípio chame muito a atenção, por parecer mais um filminho adolescente de férias. Mas com certeza, essa película tem mais conteúdo do que isso. Ela nos remete a um forte drama psicológico recheado de metáforas, que se unem como as peças de um quebra-cabeças à vida de Conor ao longo do filme. E o desfecho tem um ar lúdico, que consegue compensar um pouco a forte carga negativa que vemos ao longo da exibição. É uma experiência curiosa ver essa película. E não deixe de ver o trailer abaixo.