Batata Movies (Especial Oscar 2017) – À Qualquer Custo. Texas Way Of Life!

Cartaz do Filme

Dando sequência aos filmes indicados ao Oscar aqui na Batata Espacial, vamos falar de “À Qualquer Custo” (“Hell or High Water”). Essa película concorre a quatro estatuetas: melhor filme; ator coadjuvante para Jeff Bridges; roteiro original; e montagem. Esse é um daqueles filmes que despertou muita simpatia da plateia e que vai ter uma boa torcida na noite da premiação. Se nós podemos classificar essa película mais como um drama, existem elementos de outros gêneros que deram todo um sabor especial que tornou o filme muito gostoso de se ver.

Dois irmãos buscando salvar seu rancho

No que consiste a história? Vemos aqui dois irmãos, Toby (interpretado pelo “Capitão Kirk” Chris Pine) e Tanner (interpretado por Ben Foster, que teve uma pequena participação em “Inferno” no ano passado), que praticavam pequenos assaltos a banco em cidadezinhas do interior do oeste do Texas. O alvo deles era quase sempre o Texas Midland Bank, que estava prestes a tomar o rancho da família, depois que a mãe fez uma hipoteca. As condições injustas de quitar o empréstimo fizeram com que os dois irmãos praticassem esses pequenos assaltos, geralmente pela manhã, o que era uma garantia de que ninguém ia sair machucado, até que eles levantassem o dinheiro para pagar o empréstimo. Enquanto que Toby não tinha qualquer experiência com armas ou com o crime, seu irmão já tinha estado preso e tinha um passado bem mais violento. Eles passaram a ser perseguidos por um policial texano casca grossíssima, Marcus Hamilton (magistralmente interpretado por Jeff Bridges) e seu parceiro Alberto (interpretado por Gil Birmingham), de origem indígena. A partir daí, o filme vira um jogo de gato e rato permeado pelo estilo texano de vida e piadas politicamente muito incorretas.

Dois policiais tipicamente texanos

Dizemos acima que o filme tem tons de drama, pois vemos os irmãos praticando assaltos para não perder o rancho e Toby dar algo de herança para os filhos. Mas outros gêneros aparecem aqui. É óbvio que um filme com cenas de assalto e de violência pode ser classificado também como um filme de ação, além de um “road movie”, com cenas de viagem de carro pela estrada em vários trechos da película. Agora, o filme também se torna uma inteligente comédia. E por que isso? O grande problema de se fazer comédia hoje em dia é o limite do que é ou não politicamente correto. Para se resolver esse problema e usar o politicamente incorreto impunemente, o filme foi ambientado no estado talvez mais radical dos Estados Unidos em suas formas de pensamento, que é o Texas. Assim, as piadas de cunho racista eram livremente usadas sem qualquer dó, já que o filme retratava uma sociedade extremamente preconceituosa, belicista e racista como a texana (ou, pelo menos, essa era a ideia que o filme queria passar, se por um acaso um texano que saiba português ler essas linhas). E o personagem de Jeff Bridges era o ícone desse politicamente incorreto, provocando sempre seu parceiro de origem indígena com as piadas mais preconceituosas possíveis. O homem estava tão afiado que nem os evangélicos escaparam, e os momentos em que Bridges aparecia no filme eram muito engraçados, sendo que sua indicação a ator coadjuvante é altamente merecida e talvez uma das favoritas (a gente só pode ter uma percepção melhor depois de ver todos os trabalhos dos demais indicados). O estilo de vida texano pareceu também um personagem à parte e o víamos não somente materializado no personagem de Bridges, mas também em outros personagens menores da película, como a velhinha que “escolhia” de forma extremamente rude a comida dos clientes do restaurantezinho da cidadezinha de interior, provocando estranheza até nos tarimbados policiais do filme, ou o fato de vários habitantes de uma cidade um pouco maior estarem armados e reagirem ao assalto que os dois irmãos praticavam num banco. Dá para perceber que o filme conseguiu provocar boas risadas com o politicamente incorreto, mas também com uma certa dose de humor negro. Já Chris Pine e Ben Foster estiveram relativamente bem como os dois irmãos que, volta e meia não se entendiam, em virtude da porralouquice do mais violento perante o irmão mais “certinho”, o que também despertou algumas risadas.

Na première

Assim, “À Qualquer Custo” é mais um bom filme que concorre ao Oscar e que está em nossas telonas. Um filme que vale a pena por Jeff Bridges. Um filme que inteligentemente driblou o patrulhamento do politicamente correto. Um bom filme de ação com elementos de “road movie”. Vale a pena dar uma conferida.